Os bancos não são pessoas de bem: Os documentos HSBC

Inúmeros documentos foram obtidos pela imprensa no que constitui uma das maiores fugas de informação do sector bancário. As histórias começaram ontem a ser publicadas por vários jornais, entre eles o The Guardian.

Nestes documentos contam-se histórias de fraude, de más práticas, de planeamento e ajuda à fuga aos impostos, enfim, de crimes contra os cidadãos.

Por exemplo, um banco subsidiário do HSBC tinha práticas tão edificantes como as seguinte:

  • Permitia aos clientes levantarem enormes quantidades de dinheiro sem fazer qualquer tipo de controlo;
  • Nos seus materiais de marketing anunciava a fuga aos impostos como serviço prestado;
  • Aceitava manter contas escondidas das autoridades tributárias;
  • Aceitava criar contas para criminosos internacionais.

O link que faço neste artigo é apenas a peça inicial sobre mais este escândalo, nos próximos dias ficaremos a saber mais.

Anúncios

Fundações ou como fugir aos impostos e obter dinheiro do estado

Houve tempos em que as fundações eram a forma adoptada por pessoas de posses para devolver à sociedade alguma da riqueza acumulada ao longo das suas vidas. Já não é assim. Os governos das últimas décadas transformaram as fundações em veículos de fuga aos impostos e, ainda por cima, em vez de contarem com o seu próprio património muitas delas são financiadas pelo estado (mil milhões em três anos). Para além disto as fundações públicas ou financiadas com dinheiros públicos são lugares óptimos para arranjar “tachos” para os amigos (ver o caso da fundação Cidade de Guimarães)

Continuar a ler

Empresas sociopatas

Público on-line - clique na imagem para obter o artigo

Esta história da engenharia financeira usada como forma de fugir aos impostos afigura-se-me como qualquer coisa fundamentalmente injusta. Afinal, se os lucros são obtidos num determinado local, sob um conjunto de regras de negócio previamente estabelecidas, usufruindo dos recursos humanos e materiais desse local, apenas seria justo que esses impostos fossem pagos no sitio onde os lucros são gerados.

Continuar a ler