Empresas sociopatas

Público on-line - clique na imagem para obter o artigo

Esta história da engenharia financeira usada como forma de fugir aos impostos afigura-se-me como qualquer coisa fundamentalmente injusta. Afinal, se os lucros são obtidos num determinado local, sob um conjunto de regras de negócio previamente estabelecidas, usufruindo dos recursos humanos e materiais desse local, apenas seria justo que esses impostos fossem pagos no sitio onde os lucros são gerados.


O outro aspecto perverso é o facto das empresas com menos meios terem grandes dificuldades em recorrer a estes “paraísos” fiscais. Isto cria desvantagens competitivas injustas. Logo os mercados são distorcidos, isto é maus para todos.

Não vejo nenhum político (que esteja perto do poder) a defender a harmonização fiscal em toda a Europa com energia e motivação. Não vejo aparecerem os mecanismos que tornem impossível este género de comportamentos anti-sociais. Só vejo a destruição da competição e dos mercados.

Anúncios

5 thoughts on “Empresas sociopatas

  1. A concorrência fiscal, ainda por cima entre países da zona euro, é absurda; suscita desigualdades de diversa natureza, como dizes, e é uma forma ilegítima favorável à expatriação de lucros. Os grandes empresários portugueses, esses impolutos patriotas tipo Belmiro, Amorim, Ricardo Salgado (o grupo BES tem 400 empresas de ramos diversos) depauperam o País de recursos, além de o endividarem por via do finanaciamento externo (dívida externa privada).
    Não é, de facto, tolerável que, contra a coesão económica e social, a UE e a Zona Euro liberem no seu seio o tráfego de capitais pela via fiscal, Isto, em conjunto a falida banca, é próprio de um sistema que um dias destes se desmorona de uma vez por todas. Deixa passar os entusiasmos à volta dos tecnocratas na Grécia e Itália.

    • Será que podia elaborar um bocado o seu raciocínio?

      Esta harmonização fiscal parece-me um dos pré-requisitos para termos moeda comum. A moeda já a temos, penso que, se há alguma coisa errada é estas reformas não terem ainda sido feitas.

      Além disso esta coisa dos paraísos fiscais pouco ou nada serve os próprios países ou regiões que os acolhem, veja-se o exemplo da ZFM…

  2. Pingback: O último a sair apaga a porta e fecha a luz | Aventar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s