A Falência exótica do BES

Não percebo o motivo de tentarem encontrar soluções não testadas para a questão do BES. O BES, efectivamente, está a ir à falência, apenas o está a fazer de uma forma perigosa e não convencional.

Em termos de reputação o efeito é idêntico, está destruída a reputação do BdP e do BES nem se fala. Em termos de problemas na justiça, aposto, que a confusão ainda vai ser pior do que uma falência convencional dado que não temos um quadro de referência conhecido para lidar com as disputas que vão surgir por todo o lado. Em termos de protecção aos depositantes, os depositantes são os primeiros credores num banco, logo estariam protegidos, se assim não fosse então o buraco no BES ainda é maior do que o apregoado e, nesse caso não sabemos o que estamos a salvar e vai-nos ficar muito mais caro do que os seis mil milhões anunciados.

Ou seja, este “salvamento” é tudo menos a melhor solução. A melhor solução seria deixar os mercados funcionar. Se o banco tivesse de ir à falência seria imediatamente posto sob administração judicial (podia-se nomear perfeitamente a actual administração para o fazer, até podiam mudar o nome do banco para “banco bom”!). A seguir começava-se a quitar os credores de acordo com as regras conhecidas, em primeiro lugar os depositantes, depois os credores obrigacionistas, depois os obrigacionistas subordinados e, finalmente, os accionistas.

Que raio de mensagem se dá a um pequeno accionista que foi incentivado a participar no aumento de capital (autorizado pelo BdP) há tão pouco tempo? A mensagem que se dá é que estes senhores não fazem a mais pequena ideia do que estão a fazer. Não é de admirar, se assim não fosse a crise não se arrastaria à seis anos.

Anúncios

Afinal era um fardo para os contribuintes

Serão os accionistas dos bancos e os credores a pagar por futuras crises bancárias, e não os contribuintes como tem acontecido

Desta notícia do Público.

No mundo bizarro do sistema bancário isto é uma novidade. Os responsáveis europeus, depois de anos a salvar bancos falidos, muitas vezes vítimas de crimes cometidos pelos seus próprios administradores, chegaram à conclusão que os cidadãos têm, de alguma forma, ser protegidos. Óptimo!

Continuar a ler

Pequenas Correcções (II)

Ao contrário do que o Pedro Marques Lopes afirma, os bancos podem, sem qualquer problema, falir. O papel do estado nessa circunstância é garantir que o processo decorre sem pânico e circunscrevendo os efeitos secundários o máximo possível.

Continuar a ler