Mais de metade do endividamento público para apoiar a banca

Os bancos vão ser sem dúvida a nossa perdição. Na ânsia irracional de tentar salvar o que está para além de qualquer possibilidade de salvamento, vamos asfixiar o país ultrapassando todos os limites. Vamos com isto matar a economia e a possibilidade de retoma nos próximos anos.

O problema é termos bancos que estão longe de ser pessoas de bem. Os negócios da esfera privada em Portugal sofrem igualmente com a corrupção generalizada. Os próprios bancos têm critérios de amiguismo e por vezes de algo mais para concederem os créditos. E, finalmente, muitos dos activos inscritos nos livros dos bancos estão avaliados de forma surreal.

O mecanismo que vai governar a nossa perdição é bem simples. Os bancos alavancam o seu capital, como contrapartida disso inscrevem nas suas contas activos sobre avaliados. Por exemplo, imaginem que querem construir um bloco de apartamentos em Lisboa, contraem um empréstimo de 100 milhões de euros e dão como garantia o terreno e os próprios apartamentos. O banco inscreve nas suas contas os 100 milhões dado que estão garantidos. Mas na prática os apartamentos não se vendem, até porque o próprio banco não empresta dinheiro (dado que já não tem crédito ele mesmo) e por isso o empréstimo não é pago. Logo o valor real dos apartamento é zero. Para não assumir estas perdas o banco vai protelar o máximo possível o assumir do problema. Mas, em todo o caso, vai ter de pagar os seus próprios empréstimos. Neste ponto entram os contribuintes, entram os orçamentos rectificativos…


Os passos que estão a ser tomados hoje já são conhecidos de todos. Vêm especificados no Memorando da Troika, de forma muito clara, os apoios que estão a ser concedidos aos bancos:

Secção Descrição Valor
2.1 Garantia do estado aos Bancos 35000ME
2.4 Veiculo de suporte à solvência bancária 12000ME
2.12 BPN 5000ME
Total 52000ME

(Valores retirados do Memorando da Troika, excepto o do BPN.)

É mesmo a fartar!

E os passos concretos, que tornam realidade a tabela anterior, estão a ser tomados, hoje na versão impressa do Público (de 2011.08.02 – paywall):

Alteração “cirúrgica” ao Orçamento faz com que a banca passe a receber 51 por cento do endividamento público

O ministro das Finanças anunciou, na semana passada, que ia introduzir alterações “cirúrgicas” ao Orçamento de Estado (OE) de 2011. A proposta de Orçamento Rectificativo que hoje se discute em comissão parlamentar prevê uma subida de 14 por cento no limite de endividamento, o que leva a que, no total, mais de metade do possível endividamento público seja para apoiar a banca.

A alteração ao OE de 2011 pede autorização ao Parlamento para o Estado se endividar em mais 2,853 mil milhões de euros (até 12 mil milhões de euros), para “reforçar a estabilidade do sistema financeiro e da disponibilidade de liquidez” do sector. Ou seja, um reforço de 31 por cento face ao limite de endividamento previsto no diploma inicial já com esse objectivo, de 9,146 mil milhões. As despesas aparecem agora classificadas como “despesas excepcionais”.

Mas esse reforço deve ser somado ao limite habitual de endividamento do Estado – neste exercício de 11,573 milhões de euros – para fazer face às despesas decorrentes da execução orçamental do sector público e cobertura do défice.

Feitas as contas, o OE de 2011 previa um limite de endividamento de 20,7 mil milhões. E, desse total, cerca de 55 por cento era para pagar o funcionamento do Estado. Os restantes 45 por cento para apoiar a banca. Agora, o Governo pede um reforço de 2,853 mil milhões do endividamento para apoiar o sector financeiro, isto é, uma subida de 14 por cento do endividamento total. Esse reforço faz com que o apoio à banca passa a constituir mais de metade do possível endividamento público – 51 por cento.

A proposta do Governo pede ainda um reforço considerável das garantias que o Estado pode prestar ao sector financeiro. De 20,18 mil milhões já previsto inicialmente para 35 mil milhões. Ou seja, um aumento de 75 por cento nas garantias.

[…]

Um ponto interessante, para aqueles que estão sempre preocupados com o défice, é saber se este endividamento contribuirá, ou não, para o défice. No memorando da Troika, certamente que não contribui. Mas as agências de rating poderão ter outra opinião, perpetuando-se assim esta desgraça que estamos a viver…

Anúncios

2 thoughts on “Mais de metade do endividamento público para apoiar a banca

  1. Pingback: Planos de Salvamento | Aventar

  2. Pingback: Portas e o estado da nação – Aventar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s